quarta-feira, 5 de março de 2008

Rum (Do ing. rhum, «id.») aguardente obtida da destilação do melaço depois de fermentado;


Em mais um dos meus momentos de reflexão e ansiando a chegada do fim de semana pus-me a pensar que nunca mais era dia de ir beber um copo com os amigos. Como ir beber um copo com os amigos significa ir beber uma “Cuba Libre” com os amigos, uma dúvida me surgiu: de onde virá o nome “Cuba Libré”. Como surgiu? Porquê?
Ainda bem que vivemos na era cibernauta em que a resolução das nossas duvidas está à distância de um clique no site www.google.pt.

Para quem estiver interessado, seguidamente vem a explicação.

“A Cuba Libre foi criada durante a guerra Hispano-Americana, aquando da 2ª Guerra Mundial (1895 a 1898).

Um dia, um grupo de soldados americanos reuniu-se num bar de Havana Velha. Fausto Rodriguez, um jovem oficial, contou mais tarde que um capitão entrara e pedira rum com coca-cola em gelo com um quarto de limão verde. Um pedido que suscitou a curiosidade dos soldados que o cercavam. Eles pediram ao empregado de bar que lhes servisse a mesma bebida.

Depois de pedirem uma nova rodada, um soldado sugeriu um brinde “Por Cuba libre!” para festejar a libertação de Cuba. O capitão ergueu o seu copo e pronunciou o grito de guerra que tantas vezes motivara as tropas durante a guerra da Independência: “Cuba libre!”. Assim nasceu a Cuba libre!

A receita foi guardada por alguns empregados de bar, mas só conheceu o verdadeiro sucesso alguns anos mais tarde durante a proibição aos Estados Unidos entre 1919 e 1933. O fabrico, o transporte, a importação, a exportação e a venda de bebidas alcoólicas eram proibidos. Esta lei anti-álcool foi um factor de crescimento para a máfia italo-americana que rapidamente se apercebeu que Cuba era um ponto estratégico para fazer entrar e tirar partido do álcool nos EUA. Existiam duas simples razões: Cuba produzia rum e a costa americana estava a apenas 200km.

O tráfico de cubas de Rum começara, mas nos portos americanos eram frequentes os controlos pelas autoridades e depressa o rum era descoberto, transformando certas importações em fiascos. Os padrinhos da máfia tinham recursos e logo trataram de importar cubas cheias de Cuba libre, cortando desta forma o odor e o aroma do rum, tornando-se mais fácil passar nas alfândegas.
Nos bares americanos controlados pela máfia bebia-se muita Cuba libre.

A origem da receita e até o nome deixaram a sua marca. Tanto a máfia como alguns consumidores clandestinos, inspirados já por algumas bebidas a mais, gostavam de brincar a jogos de palavras, contar anedotas e brincar com o facto de que foneticamente “Cuba libre” queria também dizer cuba livre em cubano, gozando ao mesmo tempo com as autoridades enganadas pela importação clandestina de cubas. Era o início do sucesso da Cuba libre…”

(Este texto é da inteira responsabilidade de Sónia Joaquim)

Ingredientes* (para quem ainda não sabe):

· 6 cl de rum cubano (havana club, bacardi, etc.)

· 4 cl de limão verde

· 15 cl de refrigerante de cola (coca-cola, pepsi, etc.)

*As quantidades para os “Bacardi Team” poderão ser triplicadas.

E pronto… Espero ter contribuído para um pouco mais da vossa extensa cultura.

Ai que sede com que fiquei…

3 comentários:

Spirit disse...

Estava a estranhar ainda não teres colocado aqui um post ao teu fiel amigo Bacardi ;)

Compreendo-te perfeitamente, até porque um dos meus primeiros posts foi:
http://8lue5pirit.blogspot.com/2008/01/sexta-feira.html

lol

Beijos
Vanda

The Guga disse...

Eu na Cuba Libre faço um reparo.. tiro o limão!!
E deixando de ser Libre continua a ser de cuba e bem melhor!!
Eheheheheh

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.